Faça parte da rede aqui!
Fique por dentro das últimas notícias, eventos, debates e publicações científicas mais relevantes.

Arquivo Diário 21 de maio de 2020

2o Seminário da Rede APS

2o SEMINÁRIO DA REDE APS DA ABRASCO

Experiências de fortalecimento da Estratégia Saúde da Família para o enfrentamento da Covid-19: o que podemos aprender?

9 de junho de 2020 das 9h às 12h

Assista pelo Youtube – TV ABRASCO – https://youtu.be/Bk5lWekQ3yQ

Este segundo seminário da Rede APS tem por objetivo analisar experiências locais de reorganização da atenção básica e iniciativas inovadoras na Estratégia Saúde da Família para o enfrentamento da pandemia de Covid-19 e discutir fragilidades e dificuldades encontradas em diferentes contextos.

9h – Painel de experiências

APS integrada à rede – Experiência de Belo Horizonte (MG): Fabiano Gonçalves, gerente de AB da SMS-BH;

Vigilância em saúde e participação comunitária – Experiência de Sobral (CE): Marcos Aguiar Ribeiro, coordenador de Vigilância do Sistema de Saúde/SMS;

O teleatendimento e a continuidade dos cuidados de rotina pelas equipes SF – Experiência de Florianópolis (SC): Ronaldo Zonta, médico de família e integrante do Departamento de Gestão da Clínica da SMS;

Monitoramento da Covid-19 no Complexo do Alemão – Experiência na Clínica de Família Zilda Arns, Rio de Janeiro (RJ): Humberto Sauro, médico de família e comunidade e coordenador do programa residência em MFC da SMS/RJ;

APS e políticas sociais na epidemia de Covid-19 – Experiência de Niterói (RJ): Aluísio Gomes da Silva Junior, Diretor do Instituto de Saúde Coletiva – UFF;

A APS no enfrentamento da Covid-19 – representante do Conasem

Coordenação: Luiz Augusto Facchini (Rede APS)

Debate e interlocução com os participantes

Aprendizados possíveis: Maria Helena Magalhães de Mendonça (Ensp/Fiocruz)

 

Experiência de reorganização da APS para o enfrentamento da Covid-19 em Florianópolis

A Rede APS continua mobilizada em contribuir com a divulgação de informações de qualidade para o enfrentamento da Covid-19. Com esse intuito, convidamos gestores e outros profissionais que atuam na APS em diferentes locais do Brasil para compartilhar suas experiências na reorganização dos serviços, nos três eixos de intervenção da APS para a enfrentamento à pandemia[1]: desenvolvimento de ações de vigilância em saúde para bloquear e reduzir o risco de expansão da epidemia, suporte a grupos mais frágeis e vulneráveis que necessitarão de atenção especial no contexto da epidemia, e continuidade das ações próprias da atenção primária na sua rotina de promoção da saúde, prevenção de agravos e provisão de cuidados.

Neste Boletim João Paulo Cerqueira, gerente de Atenção Primaria à Saúde de Florianópolis e Ronaldo Zonta, quem atualmente atua no Departamento de Gestão da Clínica da Secretaria Municipal de Saúde de Florianópolis, apresentam a experiência de reorganização da rede de atenção nesse município para o enfrentamento da Covid-19.  Ambos apontam que nos últimos anos tem se investido muito na APS e no desenvolvimento de experiências de teleatendimento na cidade.  Isso permitiu que a rede se organizasse de uma maneira muito rápida para atuar frente à Covid-19. Para tal, buscou-se reforçar os atributos da APS para o enfrentamento à pandemia, mantendo as unidades abertas, reforçando a APS como porta de entrada, fortalecendo e privilegiando o teleatendimento, reorganizando os fluxos na unidade para evitar as aglomerações nos serviços, além de garantir EPI para os profissionais da saúde e produzir material técnico para orientar essas ações. Some-se a isso o telemonitoramento de casos feito inicialmente pela Vigilância Epidemiológica e que passou a ser capilarizado para toda a APS.  Ainda, a atuação dos ACS com a chegada da Covid-19 aconteceu principalmente dentro da unidade, desenvolvendo atividades de acolhimento e busca ativa dos usuários de maneira remota não presencial.  No contexto da pandemia da COVID-19 foram suspensos todos os atendimentos em saúde bucal não emergenciais e tem sido discutida a possibilidade de teleatendimento em saúde bucal em alguns casos pontuais. Florianópolis também adquiriu testes rápidos disponíveis em todos os 49 centros de saúde e também em drive-thru de testagem.  A APS também tem contribuído para fortalecer as medidas de distanciamento e isolamento social e apoiado a divulgação de informações de saúde e cuidados, usando o WhatsApp das equipes.  Por fim, destacam-se as parcerias intersetoriais com a sociedade civil, vigilância sanitária e a guarda municipal. Dessa maneira, Florianópolis está preparada para as novas ondas que virão e para o possível aumento de casos que pode acontecer depois da diminuição gradual das medidas de isolamento social das últimas semanas, influenciadas pelas fortes pressões econômicas do capital.  Os materiais técnicos e protocolos produzidos pela Secretaria Municipal de Saúde de Florianópolis estão disponíveis no site da Rede APS no espaço Coronavírus (Covid-19) mantenha se informado.

Aguarde os próximos boletins das experiências de Sobral (CE), uma clínica de família no Rio de Janeiro e a experiência do município de Belo Horizonte.

Por Diana Ruiz e Valentina Martufí, doutorandas do ISC/UFBA que contribuem para a REDE APS

 

 

[1] Conforme o discutido no seminário online da Rede APS “Desafios da APS no SUS no enfrentamento da COVID-19” realizado no dia 16 de abril 2020 e disponível no Canal de YouTube da Abrasco https://www.youtube.com/watch?v=EcfJXwZdAsI&feature=youtu.be%29