Faça parte da rede aqui!
Fique por dentro das últimas notícias, eventos, debates e publicações científicas mais relevantes.

Atenção Primária à Saúde, onde vidas vulneráveis importam: Estratégias do cuidado e enfrentamento à COVID19

A CF Sérgio Vieira de Mello é uma unidade de APS localizada na cidade do Rio de Janeiro. Há 8 anos atende a população dos bairros Catumbi e Santa Teresa. Unidade docente assistencial em parceria com o programa de residência em MFC da UERJ. Têm uma população adscrita de 24.500 pessoas, abrangendo 4 comunidades/favelas com diversas vulnerabilidades, e dominadas
pelo tráfico de drogas. Com o contexto da pandemia pela COVID19 a procura por atendimentos de demanda espontânea e consultas agendadas reduziram drasticamente
impactando nos cuidados e vigilância em saúde. Por outro lado, aumentaram a procura por atendimentos de casos suspeitos pela COVID19 em uma comunidade onde ainda os
cuidados são precários e às orientações e troca de saberes são necessárias. Dessa maneira, organizamos fluxos de atendimentos dentro da unidade, telemonitoramento,
estratégias para manutenção dos cuidados em saúde, ações comunitárias, treinamento dos profissionais de saúde com foco nos atributos da APS.

Desenvolver ações de intervenção a curto e médio prazo durante o período de enfrentamento da pandemia pela COVID19 (sem perda no atendimento na principais linhas de cuidados como (gestantes), saúde da criança, sífilis, AIDS/HIV, tuberculose, saúde mental, diabetes e hipertensão) definindo às estratégias de acesso, abordagem comunitária, coordenação do cuidado, organização dos fluxos de atendimentos, medidas de cuidados, apoio e orientações para a população e profissionais de saúde.

Realizados encontros com associações de moradores, informantes-chave e representantes do tráfico de drogas das comunidades atendidas com foco na importância dos cuidados
comunitários, suspensão de atividades coletivas (bailes funk, futebol, e outros). Reorganização do acolhimento criando uma Equipe de Resposta Rápida (EER) para
atendimento dos casos suspeitos e uma equipe para os outros atendimentos. Adequação dos espaços físicos, treinamento da equipe de saúde, segurança e limpeza. Orientações
quanto ao uso de EPIs e higienização, e estruturação de uma sala para pessoas com necessidade de transferência para unidade hospitalares. Telemonitoramento diário dos
casos atendidos, visitas domiciliares para casos urgentes e emissão de declaração de óbito, manutenção das reuniões de equipe com foco na discussão dos casos e monitoramento
das linhas de cuidado. Contato direto da equipe com a população pelo WhatsApp fortalecendo vínculo, apoio familiar e comunitário.

Reunião com a população considerou aspectos da competência cultural e resultou no cancelamento de atividades coletivas, instauração de toque de recolher e obrigatoriedade do uso de máscaras em algumas favelas. A EER gerou eficiência no atendimento e remoção de usuários com sintomas gripais, reduzindo o tempo de permanência na unidade. Telemonitoramento diário por 14 dias dos casos suspeitos de COVID19. De março até o momento foram 929 casos suspeitos atendidos sendo 16 transferências para unidades hospitalares, e 3 declarações de óbitos domiciliares.
Satisfação com telemonitoramento expressa por ouvidorias e relatos. Manutenção dos atendimentos de demanda espontânea e linhas de cuidado. Treinamento de 66 profissionais
de saúde, reuniões de equipes quinzenais, monitoramento dos usuários por planilhas do Google Drive e agendamento de consultas/contatos telefônicos. Suporte diário em saúde
aos funcionários. Monitoramento de 32 idosos em Instituição de longa permanência.

Os atributos derivados da APS são estruturantes e necessários na micropolítica do cuidado. A ação comunitária, o telemonitoramento, a aproximação com a população revelam a potência transformadora da APS. Reorganizar o atendimento da síndrome gripal, manter os atendimentos das linhas de cuidado, e restabelecer os agendamentos têm efeitos diretos frente a 3ª e 4º onda da
pandemia representadas pelo impacto na interrupção dos cuidados das condições crônicas e dos transtornos mentais desenvolvidos.

Autores: Rafael Cangemi Reis, Garcia A. Vergara Figueroa, Leticia Marília de Almeida
Werneck dos Santos, Rafaela Giovana de Oliveira Sacramento

Participantes da experiência: Médicos preceptores, médicos residentes, enfermeiros, agentes comunitários de saúde, residentes multiprofissionais, farmacêutica, auxiliar de
farmácia, funcionários da limpeza e segurança, administrativos, gerente da unidade, técnicos de enfermagem.

Rede APS

%d blogueiros gostam disto: