Faça parte da rede aqui!
Fique por dentro das últimas notícias, eventos, debates e publicações científicas mais relevantes.

Artigo em destaque: The quality of alternative models of primary health care, and morbidity and mortality in Brazil: a national longitudinal analysis

Pesquisa em processo de publicação no periódico The Lancet Regional Health–Américas revela que o aumento da qualidade da APS relacionado com o modelo da Estratégia Saúde da Família está associado a reduções nas hospitalizações por doenças maternas e hanseníase e a reduções na mortalidade por diabetes e doenças cardiovasculares em municípios brasileiros.

Trata-se de um estudo longitudinal observacional desenvolvido com dados de 5.411 municípios, no período 2000-2014, por meio de análises de regressão em painel. Analisaram-se como proxys para a qualidade da APS: (i) a proporção de consultas realizadas por médicos e enfermeiras altamente qualificados na ESF para cada uma das variáveis desfecho, i.e., hospitalizações e taxas de mortalidade por diabetes, doenças cardiovasculares (DCV), tuberculose, hanseníase e causas perinatais e maternas; e (ii) a proporção de visitas de ACS que trabalham em equipes multidisciplinares da ESF. Ajustaram-se potenciais fatores de confusão.

A pesquisa revelou que o aumento de um ponto percentual na proporção de consultas de atenção primária realizadas no PSF/ESF estava associado a 0,019 (IC 95%: -0,034, -0,003) menos mortes por diabetes por 100.000 habitantes. Isso corresponde à diminuição relativa de -0,08% na taxa média de mortalidade municipal por diabetes durante o período de análise. Adicionalmente, o aumento de um ponto percentual na proporção de visitas de ACS no PSF/ESF estava associado a 0,025 (IC 95%: -0,050, -0,001) menos mortes por DCV por 100.000 habitantes, o que representa diminuição relativa de -0,03%. O aumento de 47,1 pontos percentuais na proporção de visitas de ACS do PSF/ESF durante o período corresponde à redução de -1,4% na mortalidade por DCV. Não foi encontrada nenhuma associação significativa com mortalidade por outras causas.

No que diz respeito às hospitalizações, o aumento de um ponto percentual na proporção de consultas de APS realizadas no PSF/ESF foi associado a 0,29 (IC 95%: -,055, -0,002) menos hospitalizações por hanseníase por 100.000 habitantes. Isso representa redução relativa de -1,1% e se traduz na redução de -12,5% nas hospitalizações por hanseníase, dadas as mudanças médias durante o período. Além disso, o aumento de um ponto percentual na proporção de visitas de ACS do PSF/ESF foi associado internações por causas relacionadas à maternidade por 1000 nascidos vivos. Isso se traduz na redução relativa de -0,09% e, dadas as variações médias, na redução de -4,3% na taxa de internação por condições relacionadas à maternidade no período. Nenhuma associação significativa com hospitalizações por outras causas foi encontrada, embora os tamanhos do efeito para DCV indiquem associações positivas com a qualidade da APS.

Os resultados da pesquisa sugerem que a associação entre o aumento da qualidade da APS com o modelo de atenção da Estratégia Saúde da Família pode gerar ganhos em saúde. Características da ESF tais como cuidado integrado com profissionais de saúde altamente qualificados atuando em equipes multiprofissionais e ACS incorporados nas equipes e com boa supervisão melhoram a qualidade e a eficácia dos serviços e fortalecem as atividades de prevenção, promoção e educação em saúde. A prevenção do desenvolvimento e da exacerbação de DCV e diabetes e a prevenção de internações por doenças maternas e hanseníase exigem atenção integral que considere diversos fatores de risco, atenção pré-natal de qualidade, diagnóstico precoce e acesso a tratamento. As caraterísticas da ESF favorecem esse processo de cuidado integral e integrado com as equipes multiprofissionais, onde o ACS desenvolve um papel muito importante.

Acesse o artigo na integra no link https://doi.org/10.1016/j.lana.2021.100034

Referência

Mrejen M, Rocha R, Millett C, Hone T. The quality of alternative models of primary health care and morbidity and mortality in Brazil: a national longitudinal analysis, The Lancet Regional Health – Americas, 2021; p. 100034-100034, ISSN: 2667-193X. Disponível em: https://doi.org/10.1016/j.lana.2021.100034 Acesso: 1 set 2021

Por: Diana Ruiz, doutoranda que contribui com a Rede APS

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Rede APS

Você deve estar logado para postar um comentário

%d blogueiros gostam disto: