Faça parte da rede aqui!
Fique por dentro das últimas notícias, eventos, debates e publicações científicas mais relevantes.

Arquivo Mensal setembro 2020

Painel: O futuro das políticas públicas de saúde no Brasil pós Covid-19 – 06/10

O Instituto de Economia da Unicamp convida você para o painel “O futuro das políticas públicas de saúde no Brasil pós Covid19”, o terceiro de uma série de atividades sobre o do Sistema Único de Saúde (SUS) e a economia brasileira neste período de pandemia. Veja abaixo os dois primeiros eventos:

1) O SUS, a pandemia e a política econômica – uma convergência necessária | https://youtu.be/oD8km19vr7k

2) Os caminhos do SUS e do Estado social brasileiro: painel sobre Teto de gastos e reforma tributária | https://youtu.be/_CHhJK3FqWI

Neste terceiro encontro, o objetivo é debater a importância do SUS para a democracia brasileira, bem como a necessidade de políticas públicas para atender às novas exigências por serviços de saúde, assistência e previdência gerados pela Covid19. Diversas pesquisas, no Brasil e no exterior, têm nos indicado que um novo conjunto de demandas sociais exigirá do sistema de saúde organização, estrutura e planejamento incompatíveis com as políticas fiscais austeras e de restrição do financiamento da saúde pública.

Para conversar sobre esses e outros desafios, convidamos uma equipe de especialista em saúde coletiva, gestão pública e economia.

Participantes:

Ana Luiza d’Ávila Viana, professora aposentada da USP. Tem como principais áreas de estudo as políticas sociais e de saúde, políticas públicas e economia política da proteção social. Coordenadora do projeto nacional Região e Redes – caminhos para a universalização da saúde no Brasil (https://www.resbr.net.br/).

Jairnilson Silva Paim, professor titular do Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal da Bahia. Especialista em política de saúde; planejamento em saúde; reforma sanitária brasileira e Sistema Único de Saúde. Coordena o projeto Observatório de Análise Política em Saúde (https://analisepoliticaemsaude.org/oaps/).

Guilherme Santos Mello, professor do Instituto de Economia da Unicamp e diretor do Centro de Estudos de Conjuntura do IE/Unicamp.

A moderação do evento será realizada pelo professor Denis Maracci Gimenez, professor do IE-Unicamp, e que atua nas áreas de desenvolvimento econômico, economia brasileira, história econômica, mercado de trabalho e estrutura social.
Quando: 06 de outubro, terça, às 14h30.

Participe: https://youtu.be/4WOMyOwuIAI

Debate 10/09 – O atendimento de Urgência e Emergência na Atenção Primária no contexto da Covid-19

Como parte das atividades da iniciativa APS Forte no SUS no combate à pandemia, três experiências do Sistema Único de Saúde participarão do debate virtual na próxima quinta-feira, 10 de setembro, às 17h. As práticas mostram estratégias utilizadas para ampliar e qualificar os atendimentos de urgência e emergência na Atenção Primária à Saúde (APS) no enfrentamento da Covid-19, como por exemplo a adequação de estruturas, a capacitação das equipes e o estabelecimento de fluxos na rede assistencial.

A debatedora convidada para este debate é a diretora científica da Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade, a médica Maria Inez Padula. O debate virtual será moderado pela coordenadora da Unidade Técnica de Sistemas e Serviços de Saúde e Capacidades Humanas da OPAS/OMS no Brasil, Mónica Padilla. A iniciativa APS Forte no SUS – no combate à pandemia foi desenvolvida pela Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS/OMS) no Brasil e pelo Ministério da Saúde, e visa divulgar experiências brasileiras de organização do enfrentamento à pandemia com base na APS.

O debate será transmitido no Portal da Inovação na Gestão do SUS (www.inovacaoemsaude.org ou www.apsredes.org) e também no facebook @inovacaoemsaude e no canal do youtube do portal.

O público poderá enviar perguntas para os convidados no endereço www.apsredes.org/participe.

Experiências convidadas:

  • BRASÍLIA – DF: Abordagem ao paciente grave com COVID-19 em unidade básica periférica do Distrito Federal

Descreve a experiência de uma Unidade Básica de Brasília para adequar estruturas e capacitar profissionais para reconhecer e conduzir um caso suspeito ou confirmado de COVID-19 que chegue até a unidade básica apresentando sinais de alarme, de insuficiência respiratória aguda ou parada cardiorrespiratória.

Ruan Ribeiro Ferrazza, residente da Escola Superior de ciências da Saúde da Secretaria de Estado da Saúde do Distrito Federal.

  • SOROCABA – SP: Capacitação de profissionais multiplicadores da Atenção Básica em Urgência Emergência nos seus cenários de prática

Estratégia para capacitar equipes de trabalhadores das UBSs para o atendimento de Urgência/Emergência nos casos suspeitos ou confirmados de Covid-19, formando multiplicadores nas próprias Unidades, facilitando o fluxo de informações.

Diéssika Falleiros, supervisora da SMS Sorocaba/SP

  • ARAPIRACA – AL: A IMPORTÂNCIA DA SpO2 E OXIGENOTERAPIA NO MANEJO CLÍNICO DA COVID-19 NA APS

Iniciativa do município de Arapiraca para estruturar as unidades básicas de saúde para o manejo clínico-terapêutico dos pacientes suspeitos ou confirmados da COVID-19 incluindo, para casos graves, a estabilização clínica e o encaminhamento e transporte a centros de referência, serviço de urgência/emergência ou hospitalares.

Lousanny Caires Rocha Melo, Enfermeira especialista em UTI e Assessora Técnica de Atenção a Saúde de Arapiraca/AL.

Saiba mais informações em www.apsredes.org.

APS Forte Hoje e Sempre

A APS em Revista, publicação quadrimestral da Rede de Pesquisa em Atenção primária à Saúde, coloca à disposição das comunidades acadêmica e profissional seu mais novo número. Em seu segundo ano de existência, tem sido importante veículo de comunicação e articulação entre pesquisadores, profissionais, usuários e gestores da APS.

Em 2020, para além das dificuldades usualmente presentes na rotina e dinâmica da APS, a pandemia da COVID-19 causou transtornos e consequências dramáticas para países, governos, organismos multilaterais e profissionais ligados à saúde. Como consequência, a APS sofreu impactos de diversas magnitudes e mesmo num quadro adverso, reforçou seu papel fundamental no enfrentamento da situação.

A APS em Revista compreendeu a gravidade do momento e a  importância em promover o debate qualificado e propositivo, e, ao lançar dois números1 contendo artigos voltados ao debate sobre o enfrentamento da pandemia, vocalizou um grande movimento de experiências e relatos que apresentaram ao mesmo tempo diversidade de enfoques e ações e uma imensa capacidade mobilizadora de um sistema  e de seus profissionais de saúde. Isso, em um ambiente político conturbado e com orientações nem sempre convergentes e racionais. Portanto, o legado da APS, longe de ser episódico, vem sendo continuamente fortalecido ao longo das décadas.

Compreendendo esta situação e dentro da lógica de se pensar os sistemas de saúde deforma orgânica, em 2019, antes da pandemia, a Organização Panamericana de Saúde (OPAS), escritório regional da Organização Mundial da Saúde, em parceria com o Ministério da Saúde lançaram o Prêmio APS Forte para o SUS: Acesso Universal.

O objetivo foi “identificar, dar visibilidade, reconhecer e promover iniciativas locais, municipais ou regionais que tenham como foco a melhoria da APS.” 2 Esta iniciativa buscou experiências que promovessem a melhoria do acesso da população, sempre priorizando e reforçando o papel da APS como porta de entrada prioritária e coordenadora da atenção no sistema de saúde.

Para dar visibilidade e reconhecimento a estas experiências, a APS em Revista se juntou aos organizadores da premiação e apresenta neste número as experiências vencedoras, bem como um conjunto de análises sobre os trabalhos enviados sob diferentes prismas da APS. Trata-se, sem dúvida, de uma grande contribuição ao debate sobre a APS e se mostra bastante atual pelas alternativas e possibilidades que surgem em um momento dramático que a sociedade vive.

O primeiro artigo traça um quadro geral do acesso aos serviços de atenção primária à saúde no Sistema Único de Saúde, apontando fortalezas e desafios emergentes das experiências apresentadas, pavimentando a sequência que apresenta nos três artigos seguintes as experiências vencedoras: inicialmente, uma análise do discurso dos atores na mobilização social e institucional na experiência de trabalho em Atenção Básica/Saúde da Família na UBS de Heitor Beltrão, Rio de Janeiro; depois o artigo que descreve a experiência de empoderamento da população como estratégia para construção de cidadania visando o enfrentamento de problemas de saúde no âmbito da APS em Abaetetuba, Pará; e por fim o artigo que descreve a experiência de Jaraguá do Sul, Santa Catarina, visando reduzir filas de espera nas unidades de saúde do município mediante a elaboração e aplicação de um Protocolo de Enfermagem.

Os artigos subsequentes deste número tratam de diversas facetas da premiação. O quinto artigo analisa as experiências e iniciativas realizadas em áreas remotas e/ou em cenários de vulnerabilidade social e que visam trazer melhorias à população no âmbito da Atenção Primária à Saúde (APS). O sexto artigo analisa as experiências do Prêmio APS Forte relacionadas à ampliação e flexibilização de horários visando identificar atributos do acesso/primeiro contato e da orientação comunitária que embasaram a construção das experiências.

O sétimo artigo aborda as experiências que abordaram intervenções no campo da força de trabalho em saúde, realizadas para garantir o fortalecimento da APS no SUS. Na sequência, o oitavo artigo analisou as experiências ligadas às estratégias para ampliação do acesso a ações e serviços de saúde em áreas remotas e/ou de vulnerabilidade. O nono artigo deste número apresenta uma análise das experiências de imunização submetidas ao premio APS Forte apontando seus desafios e praticas na condução de uma das mais relevantes e consolidadas intervenções em saúde pública no Brasil.

O décimo artigo analisou as experiências submetidas ao prêmio APS Forte de iniciativas de Práticas Integrativas Complementares que demonstram como as mesmas estão inseridas e incorporadas na APS. O décimo primeiro artigo analisou as experiências de alimentação e nutrição inscritas no Prêmio APS Forte, apontando potencialidades, desafios e perspectivas futuras. Por último, o décimo segundo artigo, uma contribuição internacional, apresenta a necessidade de fortalecer a APS para alcançar melhores resultados de saúde apoiada por uma ampla base de evidências, independentemente do tipo de modelo de saúde, país ou cultura.

A APS em Revista, ao promover a divulgação de uma premiação que mobilizou equipes e profissionais de saúde do país, reforça sua convicção de que a busca pela excelência tem efeitos positivos sobre toda a cadeia de formulação e geração de conhecimento aplicado. Em um ambiente altamente dinâmico e que apresenta um forte condicionante de conjuntura, o esforço coordenado deve estar alinhado a rápidas respostas na ponta. Por isso, este número somente foi possível pela colaboração e solidariedade entre editoria, OPAS e autores e autoras. A estes, nosso agradecimento especial.

Desejamos uma boa leitura e um ano de 2021 com saúde para todos e todas.

Reunião geral Comitê Gestor Rede APS

Comemorando nossos 10 anos de trabalho da Rede APS convidamos a todos os grupos de pesquisa em APS e entidades integrantes do Comitê Gestor  a participarem da reunião apresentando as atividades atuais de pesquisa de seu grupo, e posição de sua entidades frente às mudanças nas políticas de AB/ APS no SUS. A reunião também tem por objetivo um balanço das atividades e planejamento e as perspectivas futuras da Rede APS.

Sistema Zoom 

A importância do planejamento: a experiência do Ceará no enfrentamento da Covid-19

O Comitê Gestor da Rede APS recebeu no final de junho a Secretária-Executiva de Vigilância e Regulação do Estado do Ceará, Magda Almeida, que relatou a experiência do Ceará durante a crise sanitária que vem sacudindo o país desde o começo do ano. Magda Almeida é integrante da Comitê.

O que se destaca nesta experiência é a antecedência com a qual o estado preparou-se para enfrentar a pandemia, começando por desenhar o plano de contingência quando ainda não havia casos. Este planejamento preventivo comportou a elaboração de uma variedade de estratégias, organizadas em três fases de resposta: Fase 1 – Alerta; Fase 2 – Perigo Iminente; e Fase 3 – Emergência em Saúde Pública.

A Fase 1 teve como enfoque o controle da importação de casos – oriundos principalmente do exterior e do estado de São Paulo –, e o diagnóstico precoce. Para este fim, articularam-se atividades multissetoriais de prevenção e controle, criaram-se canais de comunicação rápidos e definiram-se pontos focais de ação. Em preparação à chegada do vírus, tomou-se ciência da capacidade instalada de atendimento, com ênfase nos leitos, material médico-hospitalar, insumos e medicamentos necessários para atender casos de Síndrome Gripal e Síndrome Respiratória Aguda Grave, concomitante a qualificação dos profissionais da atenção secundária e terciária em biossegurança, diagnóstico, coleta de RT-PCR, e armazenamento e envio de amostras.

Na Fase 2 mantiveram-se os esforços para realizar diagnósticos precoces, adicionando atividades direcionadas ao controle das fontes de infecção e bloqueio da transmissão, para evitar a disseminação do vírus. Isolaram-se tanto os casos confirmados quanto os suspeitos, e realizou-se identificação de contatos, incluindo o rastreamento de contatos íntimos dos casos confirmados, testando e isolando todos os indivíduos identificados. Para fortalecer as atividades de controle da pandemia, ativou-se também o time de epidemiologistas de campo para a investigação de surtos. Em termos de preparação para o atendimento, durante esta fase começou-se a treinar os profissionais de atenção primária à saúde, alocaram-se equipamentos e suprimentos médicos, e realizou-se a aquisição de respiradores e implantação de leitos hospitalares, inclusive com requisição de estabelecimentos inativados da iniciativa privada para garantir o tratamento de todos os casos que aparecessem. Paralelamente houve esforços para fortalecer a comunicação com os serviços de saúde, e a ampliação de atividades de educação em saúde.

A Fase 3 foi planejada para reduzir a intensidade da epidemia, e controlar o aumento de óbitos. Graças ao minucioso trabalho de preparação comportado pelas primeiras duas fases, esta última fase comportou principalmente ajustes, tanto no âmbito médico quanto no social. Primeiramente, cancelaram-se todos os eventos de massa, e realizaram-se inciativas para reduzir a movimentação de pessoas, e manter o fornecimento e preço de mercadorias estáveis, para garantir o bom funcionamento da sociedade através das parcerias com o Ministério Público. Por outro lado, criaram-se Postos Médicos Avançados (PMA) e hospitais de campanha nas várias regiões de saúde, ajustaram-se os protocolos clínicos e de testes diagnósticos, e adquiriram-se os fármacos indicados nas atualizações de tratamento.

Em relação à criação de hospitais de campanha, a Secretária-Executiva Magda Almeida realçou que, para amenizar o problema de não saber por quanto tempo seriam necessários, as autoridades optaram por investir em hospitais que seguiriam funcionando depois da pandemia.

Para fortalecer a comunicação, bidirecional, com a população, adicionou-se a toda página do governo um Chat Bot automático, denominado Plantão Coronavírus, destinado à identificação e classificação de casos através de sintomas auto-relatados. Criou-se também um site especializado sobre o Coronavírus (https://coronavirus.ceara.gov.br/) com várias ferramentas, incluindo um boletim semanal sobre a situação epidemiológica, tanto para cidadãos quanto para profissionais de saúde. Por outro lado, promoveu-se o portal de transparência da Secretaria da Saúde do Estado do Ceará, a Plataforma IntegraSUS, um sistema que cruza vários bancos de dados, e que agora disponibiliza a visualização de uma ampla variedade de indicadores relacionados à Covid-19, e é acompanhada todos os dias pela população através das transmissões da TV Globo local. Membros do Comitê Gestor recomendaram que a experiência de comunicação com a população do Ceará deve inspirar outros estados.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Em relação às dificuldades enfrentadas durante este percurso, a Secretária-Executiva Almeida ressaltou três pontos de resistência encontrados:

Testagem: os testes mais recomendados para controlar de maneira efetiva a pandemia são os RT-PCR, embora fossem menos acessíveis, além de muito demorado na obtenção de resultados. Portanto, os municípios têm adotado prevalentemente os testes rápidos, e resistido às recomendações da Secretaria de Saúde de priorizar os testes de biologia molecular. A ampliação da capacidade de testar se deu pela articulação entre outras instituições da rede estadual como o Hemocentro, associação com laboratórios de universidades (UNIFOR e NPDM) e ainda um edital de chamamento público, com contratação de laboratório privado local agregado que possibilitou suprir as fragilidades da capacidade laboratorial.

Agentes Comunitários de Saúde (ACS): como em vários outros relatos, no Ceará encontrou-se também um bom nível de resistência por parte dos ACS que estavam com medo de ignorar as indicações para a população quanto a não sair de casa. A Secretaria-Executiva Almeida explicou que hoje em dia, predominantemente, estes profissionais têm mais de 60 anos, estão prestes a se aposentar – sendo que no Ceará eles têm carreira de estado –, e têm dificuldades com a tecnologia. Este profissional é fundamental para realizar a vigilância nas comunidades, para manter sua atuação a Secretaria teve que emitir um comunicado oficial para explicar aos ACS que podiam sair de casa para a realização de atividades de trabalho.  Além disso, pensa-se em redefinir as funções dos ACS no Ceará, e ir a campo para formar estes profissionais.

Rastreamento de contatos: a Secretaria-Executiva Almeida apontou para as dificuldades encontradas no processo de rastreamento de contatos dos casos suspeitos e confirmados, porque os cidadãos resistiram aos pedidos de informações pessoais realizados por telefone ou pela internet pelas autoridades. Até alguns municípios se recusaram realizar rastreamento de contatos através das equipes de atenção primária, pela resistência dos ACS.

A ausência de uma política de saúde integral no CE deixou os municípios trabalharem isoladamente o que se reflete em experiências diferenciadas.

Ao final do relato de experiência discutiu-se que em face da manutenção dessas necessidades sentidas e de sua possível manutenção nos próximos meses deve-se dar ênfase ao fortalecimento da vigilância e da testagem, às medidas para facilitar o trabalho dos ACS que assegurem ao mesmo tempo a segurança destes, e de todos os profissionais envolvidos no enfrentamento da pandemia.  A vinculação da APS à política de e na crise é importante para reduzir o afastamento da população, a continuidade do cuidado e a incorporação de tecnológica pelos médicos de família para o tele atendimento, interconsulta, monitoramento e articulação com as especialidades via central de regulação.